Secretaria de Saúde confirma morte de gestante por dengue

Compartilhe...

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Campos dos Goytacazes confirmou nesta segunda-feira (27) a segunda morte por dengue no município. A vítima, uma gestante de 25 anos residente no Parque Guarus, faleceu no dia 2 de abril. A confirmação veio após exames realizados pelo Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen/RJ).

A paciente, que estava internada no Hospital dos Plantadores de Cana (HPC), encontrava-se com 31 semanas de gestação. Devido à gravidade da doença, sofreu um aborto espontâneo, conforme informou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Charbell Kury.

“Lamentamos profundamente a morte por dengue desta gestante. Ela foi internada no início de março com sintomas graves de insuficiência respiratória e tosse com sangramento, evoluindo para choque séptico e necessitando de internação na UTI. Os exames confirmaram a presença de dengue e leptospirose, gerando dúvidas no diagnóstico inicial. Com o apoio da Secretaria de Estado de Saúde, tivemos a confirmação para dengue. Este é o segundo óbito por dengue em Campos dos Goytacazes,” explicou Charbell.

O primeiro óbito ocorreu em fevereiro e envolveu um homem de 64 anos, residente de Donana. No mesmo mês, um idoso de 72 anos, morador da localidade de Tocos, na Baixada Campista, faleceu devido à chikungunya. De acordo com a Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SUBVS), entre a 1ª e 21ª Semana Epidemiológica de 2024, foram registradas 13.603 notificações de dengue e 717 de chikungunya, sem notificações de zika vírus.

Os dados mensais mostram que maio registrou 1.711 casos de dengue; abril, 3.435; março, 4.445; fevereiro, 3.148; e janeiro, 864. Para chikungunya, maio teve 162 casos; abril, 285; março, 155; fevereiro, 67; e janeiro, 48.

“O segundo óbito ocorreu durante um período de alta transmissão da dengue, que agora, no final de maio, está se estabilizando. No entanto, os casos de chikungunya continuam altos, e as medidas de prevenção devem ser mantidas, já que o mosquito Aedes aegypti transmite ambas as doenças,” ressaltou Charbell.

Ele destacou a vulnerabilidade de certos grupos, como gestantes, que podem desenvolver formas mais graves da dengue. “Como as gestantes não podem ser vacinadas contra a dengue, a principal recomendação é a prevenção, tanto coletiva quanto individual. Evitar água parada e usar repelente são medidas essenciais para as gestantes,” orientou.

O município permanece em situação de epidemia de dengue, conforme o Decreto Municipal nº 36, de 1º de março de 2024. A próxima reunião do Gabinete de Crise da Dengue e outras Arboviroses está marcada para o dia 5 de junho.

Fonte: Prefeitura de Campos

Aguas do Paraiba - Pague com PIX 800x250

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *